Heavy Metal

Heavy Metal

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Entrevista na íntegra para o Insaniy Records


Epitaph: Metal sem Concessões 


Fotos: Divulgação

"A banda Epitaph começou em 2000 com uma proposta simples: fazer Heavy Metal com influências das bandas clássicas do estilo. Depois de participar de algumas coletâneas e lançar duas demos (Waiting your Death e The Toll of the Bell) o grupo conseguiu lançar o álbum Getting Down to Business em 2009. Com muita dedicação e amor pela música, o disco foi gravado e lançado de forma totalmente independente. A última faixa deste trabalho, chamada “Remote Control” acaba de ganhar um excelente videoclipe.
Durante entrevista, o baterista Cesar “FIVE” Louis nos contou mais sobre o conceito do clipe e outras histórias da Epitaph:

epitaph logo
Insanity: Durante esses anos aconteceram mudanças na formação da banda?
Cesar “FIVE”: Antes de qualquer coisa, agradeço o espaço concedido. Vamos lá… A primeira formação, antes de começarem os shows era eu, Joe F. Louder nos vocais, Márcio Superti (que foi guitarrista da Spartacus e tocou anos comigo na banda metal dos anos 80/90 chamada Volúpia) e o Alexandre Prokopiuk no baixo. O Márcio saiu em 2000 e entrou o Marcelo Fernandez, guitarrista que tocou em diversas bandas aqui do sul, ficamos como quarteto até 2004, quando o Marlon Steindorff (guitarrista da The Wise) juntou-se a banda. O Alexandre Prokopiuk saiu em 2012 e no seu lugar entrou o André Badia (ex- Anphisbenah) que ficou conosco até 2014, quando finalmente entrou o baixista Raul Severo que está na banda atualmente. Não tivemos muitas mudanças nesses 15 anos, todos permanecem amigos, inclusive em algumas ocasiões, voltam para participações especiais, quando alguém não pode fazer algum show.
Insanity: O que você lembra de bom e ruim dos primeiros anos da banda?
Cesar “FIVE”: Acredito que as lembranças que temos nesses 15 anos e mais de 150 shows sejam as mesmas de bandas que fazem metal no Brasil. Shows ótimos com grande público, às vezes pouca gente, lugares bons para tocar, alguns péssimos… Mas o que fica é a vontade de todos em levar a banda adiante e ver que a nossa paixão pelo metal continua intacta.
Insanity: Em 2009 a banda lança “Getting Down to Business”, como foi a produção desse disco?
Cesar “FIVE”: A banda decidiu lançar de forma independente o nosso CD, para evitar exploração e o processo de ir de gravadora em gravadora pedindo para que lancem o trabalho que é bem desanimador. Gravamos as baterias e vozes das dez músicas entre 2006 e 2008 no Estúdio 1000 do Fábio Lentino em Porto Alegre. Fizemos questão de gravar as guitarras em forma analógica também. Durante um final de semana, alugamos um Marshall JCM 900 e gravamos na minha antiga casa, num dos processos mais loucos que fizemos… Guitarras no talo, amplificador tapado de colchões e cobertores, três dias direto de cerveja, churrasco, fantasmas (não foi só com o Sabbath que aconteceu isso) e ninguém foi para casa. No meio dessa loucura toda, captamos um bom material que foi acrescido de mais guitarras no estúdio. A capa foi uma pintura feita pelo falecido tatuador Cristiano. Inclusive tenho a pintura original aqui em casa num belo quadro. O Joe (vocalista) fez toda a arte gráfica e até hoje vemos com muito orgulho esse trabalho.

disco capa
Capa do álbum

Insanity: Como o público pode adquirir o disco e outros materiais da banda?
Cesar “FIVE”: Fizemos uma prensagem de 1000 cópias e felizmente vendemos mais de 800, lentamente é claro, mas para o público que realmente gosta e com certeza venderemos o restante. Para conseguir o CD basta entrar em contato através do e-mail: epitaphheavymetal@gmail.com, blog ou página da Epitaph no facebook. Também pode encontrar o álbum em algumas lojas especializadas em Rock And Roll e Heavy Metal da grande Porto Alegre.

Insanity: A banda acaba de lançar um videoclipe em animação 3D para a música “Remote Control”, fale um pouco sobre o conceito deste vídeo:
Cesar “FIVE”: A Epitaph já tinha dois vídeos oficiais das músicas “Happy End” e “Night Rider”, até que meu filho Jean Luc e seu amigo Iago Jovanovich, que fazem design gráfico sugeriram fazer um vídeo para a música “Remote Control” (uma das primeiras composições da banda). O trabalho é em animação 3D e ficou excelente, estamos orgulhosos do trabalho deles e de como a letra composta pelo Dênis Winston, amigo e parte ativa da Epitaph se mantém atual e bem de acordo com esses dias conturbados que vivemos aqui no Brasil.


Insanity: Como está a agenda de shows?
Cesar “FIVE”: A banda está focada na finalização das composições e gravação do nosso novo CD. Depois de todos esses anos, decidimos tocar em eventos onde somos a única atração em termos de metal, como foi no X Anime Buzz em Canoas, em março deste ano. Foi divertido tocar para um público que não era de metal e fomos bem recebidos. Nosso próximo show será dia 5 de junho no BECO, será um festival onde somos a única banda de metal. Nós adoramos estes desafios de sair da “zona de conforto” do metal e mostrar nossas músicas para o maior número de pessoas possíveis.
Insanity: Como vocês analisam o cenário para as bandas de Heavy Metal atualmente no Rio Grande do Sul?
Cesar “FIVE”: O cenário do metal, em minha opinião, infelizmente está em baixa. Poucos lugares para tocar, locais que não pagam cachê ou que não oferecem o mínimo necessário para se fazer um bom show. E isso tudo dificulta na troca de shows com bandas do interior, como se fazia antigamente, pois fica inviável uma banda ir até uma cidade e vice versa, pois são muitos os custos para realizar um show.  Além disso, o público que vai a shows diminuiu muito nos últimos anos. Nos anos 2000 tocávamos sozinhos para 200 pessoas, atualmente cinco bandas não conseguem colocar 100 pessoas, ou seja, a internet, a crise e a preguiça generalizada do público colocou o metal abaixo do underground, como se isso fosse possível (risos).
Insanity: Quando a banda pretende lançar o material novo?
Cesar “FIVE”: Parece loucura nos dias de hoje lançar CD, mas como somos de um tempo em que uma banda, para existir, tinha que ter material gravado, decidimos fazer um novo CD, de forma independente também. Estamos compondo e gravando nosso material, o disco vai ter onze músicas e é um processo que acho muito legal. Dessa vez, pela falta de tempo compomos em casa e lapidamos no estúdio, dividimos as parcerias, mas no fim nos reunimos e acertamos os detalhes. A previsão de lançamento é 2017. Estamos muito felizes com o material que compomos e temos certeza que será ainda mais forte que o nosso CD anterior, mas mantendo o estilo Epitaph, ou seja, Heavy Metal, Thrash, Hard Rock e por ai vai… Não estamos presos a nenhuma fórmula e isso é muito estimulante na hora da composição. Teremos participações especiais, letras fortes, peso, enfim um típico álbum de metal.
Insanity: Quais são os planos para o futuro da Epitaph?
Cesar “FIVE”: Os planos são de lançar o material novo em 2017, fazer shows, gravar um show para lançamento em DVD e é claro, divulgar nosso material para o maior número de pessoas possíveis. Mas antes queremos fazer um show de aniversário de 15 anos da banda. Estamos vendo um lugar adequado e em breve anunciaremos isso.

banda
Da esquerda para a direita: Marlon Steindorff – guitarra; Cesar “FIVE” Louis – bateria; Joe F. Louder
– voz; Raul Severo – baixo e Marcelo Fernandez – guitarra

Insanity: Após tantos anos de estrada, que conselhos vocês dariam para as bandas que estão começando a carreira agora?
Cesar “FIVE”: O conselho ainda serve para nós hoje em dia (risos). Acreditar na sua música, não se rebaixar apenas para tocar, não acreditar que a internet ajuda a divulgar a banda, fazer as pessoas comprarem seu material e ser feliz. E a Epitaph é feliz, não temos grandes metas, não vivemos disso, queremos apenas fazer nosso som, sem concessões, fazer as pessoas escutarem rock e metal, divertir o público e resumindo: chega do politicamente correto! Isso tudo é Rock And Roll e nós gostamos disso.
Insanity: Deixamos este espaço para a banda falar direto ao público:
Cesar “FIVE”: Novamente agradecemos o espaço concedido, e pedimos ao público que se possível, prestigie as bandas locais, levantem-se das suas cadeiras, larguem seus PCs e celulares, peguem suas cervejas e vão curtir rock de verdade, chega desse mundo virtual! A vida passa rápido demais, a vida está ai fora (apesar da insegurança), mas nada substitui o prazer de estar em um show. Ah, antes que eu me esqueça, comprem os materiais da banda, pois ninguém está ai por fortuna, mas por amor ao metal! Grande abraço a todos."

Link da entrevista no Insanity Records clique aqui!   


quarta-feira, 16 de março de 2016

NOVO CLIPE DA EPITPAH EM ANIMAÇÃO

LANÇAMENTO DE NOVO CLIPE EM ANIMAÇÃO DA MÚSICA REMOTE CONTROL!

Denis conta a história da Remote Control:

"A parceria com C5 (César "Five" Louis) nas versões em inglês das músicas da Epitaph, despertou o desejo de escrever uma letra própria. Nasceu “Remote Control”, falando sobre a capacidade das telas para hipnotizar, anestesiar a nossa mente com o seu brilho. Aquela página preto e branca foi pintada de cores fortes pelo metal pesado de C5, Fernandez, Proko e Joe, entrando na coletânea “Rock Soldiers VI” e no álbum “Getting Down to Business”, com a participação de Marlon Steindorff, e ganhando força nos palcos com a participação de Raul Severo. Jean Luc e Iago reimaginaram “Remote Control” em uma provocadora animação 3D, ilustrando com o seu talento a realidade sombria que existe além do colorido ofuscante de nossas telas, como alerta o ácido heavy metal da Epitaph." 

Confira o vídeo:


segunda-feira, 14 de março de 2016

EPITAPH NO X ANIME BUZZ

E a Epitaph fez seu primeiro show de 2016 no X ANIME BUZZ realizado no sábado, dia 12 de março de 2016, no SENAC da cidade de Canoas.

Fotos by Cátia Rp
                                         




















sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Entrevista de César Louis para o Heavy Metal All Night!!

Segue a entrevista na íntegra!

 Epitaph mantendo-se criativo com qualidade

"Formada em Porto Alegre em 2000, a Epitaph, tem como influência das bandas clássicas dos anos oitenta. Praticando um Heavy Metal calcado na NWOBHM, a banda lançou de forma independente em 2009 o seu primeiro disco de inéditas ”Getting Down to Business”.

O baterista César "FIVE" Louis, fala das comemorações dos 15 anos da banda, dos planos futuros e do trabalho que vai suceder o “Getting down to Business”.


HMAN: A Epitaph foi formada em 2000 lá se vão 15 anos de estrada, como vocês veem a banda hoje? 
César "FIVE" Louis: Sim, passaram-se 15 anos e vimos muita coisa acontecer, o metal cresceu, caiu, cresceu e agora passa por uma fase complicada, especialmente aqui no Brasil para bandas pequenas e independentes, pois a meu ver, as mídias sociais e o download, que seriam para divulgar as bandas(e de certo modo o fazem) por outro lado acomodaram o público, que em boa parte não apoia a cena indo em shows, nem adquire merchandising das bandas, além disso a concorrência ficou maior e é preciso ter criatividade e qualidade para manter-se na cena e enfrentar os poucos lugares para tocar, votações para escolhe de quem vai tocar aonde ,crises econômicas e demais problemas que todas as bandas tem que passar hoje em dia. Felizmente a Epitaph soube adaptar-se e estamos firmes, fazendo nossos shows e já em processo de gravação do sucessor do Getting Down To Business. E posso te garantir que foram 15 anos de muita diversão, mais de 140 shows e a mesma garra da época em que começamos e a vontade de seguir gravando e apresentando para as pessoas a nossa paixão pelo Heavy Metal em forma de música.

HMAN: O primeiro full-lenght da banda, “Getting Down to Business” de 2009, foi lançado de forma independente. Por que?
César: A opção de lançar o Getting Down To Business, foi que as gravadoras na época já enfrentavam os problemas que hoje se agravaram: dificuldades na distribuição, não financiam as gravações e a banda recebe apenas uma quantidade do material para venda própria. Além disso queríamos ter o controle das vendas e distribuição e ao meu ver o teu trabalho tem que chegar nas mãos certas: direto ao público que viu teu show, gostou da banda e adquire contigo diretamente teu material.
O próximo CD da Epitaph, caso não hajam propostas, deverá ser lançado de forma independente também, pois gostamos dos resultados que obtivemos.

HMAN: 15 anos de estrada, mas somente em 2009 saiu o debut “Getting Down to Business”, o que esse trabalho representa para o Epitaph?
César: A Epitaph antes de lançar seu debut Getting Down To Business, já tinha lançado material com duas demos; primeiro a 'WAITING YOUR DEATH" de 2001, com 3 músicas e que foi distribuida até em Portugal. Em 2002 nossa segunda demo "THE TOLL OF THE BELL". E tivemos ainda a participação na coletânea ROCK SOLDIERS VOLUME 6 e no CD GARAGEM HERMÉTICA METAL de 2003, com mais 3 bandas. Para quem não sabe a coletânea foi lançada pelo antigo e mais conhecido Bar de rock de Porto Alegre...o GARAGEM HERMÉTICA. A partir dai sentimos a necessidade de lançar o full-lenght que começou a ser gravado no final de 2006, no ESTÚDIO 1000 do Fábio Lentino (da The Ordher) e com sessões incríveis de gravação das guitarras e baixo realizadas na casa de meus pais que estava vazia na época. Em 3 dias, com ajuda de um JCM 900(sempre no talo) dezenas e dezenas de cervejas, gravamos 80%das guitarras analógicas e depois completamos mais algumas no estúdio. Já bateria e vozes foram todas gravadas em estúdio. Tivemos a participação do grande amigo Gustavo Demarchi (hoje vocalista da Apocalypse) na música Death Bell, as letras foram compostas pelo "sexto" Beatle o Dênis Winston que até hoje compõe para a Epitaph; eu e o Gustavo também escrevemos material para a banda. A capa foi feita a mão, uma exigência nossa, em pintura em tinta a óleo(tenho o quadro original) pelo tatuador Cristiano que infelizmente faleceu. Temos até hoje muito orgulho desse material e sabemos que vamos ter muito trabalho para superá-lo em qualidade... e esse é o grande desafio para o novo CD.

HMAN: Como foi a recepção do disco por parte do publico e mídia? 
César: A recepção foi sensacional, pois dos mais de 60 veiculos de comunicações(revistas nacionais e internacionais, sites e etc) que enviamos o material, não houve sequer uma critica negativa e que achei mais interessante é que as diversas resenhas elogiavam músicas diferentes, o que demonstra que o material é forte, não ficando apenas em uma música ou duas. A Epitaph auto produziu o Getting Down To Business e pretendemos continuar isso no próximo. E enquanto não sai o novo material continuamos divulgando GDTB e até hoje recebemos criticas positivas do CD ou seja, resistiu ao teste do tempo. Sobre as vendas, queremos que chegue ao público verdadeiro e não somente vender a pessoas que não gostam do estilo apenas por que são amigos. Mais de 85% do material foi vendido e continua saindo. Nos shows o público pede sempre por Death Bell (as vezes quando é possivel, o Gustavo Demarchi revive o dueto com o Joe F.Louder) The Creature, Happy End, Night Rider e Waiting Your Death. Por sinal os videos oficiais que fizemos são das músicas Happy End e Night Rider.

HMAN: Como funciona o processo de composição dentro da banda? Vocês costumam compor com frequência? 
César: O processo de composição para o GDTB foi o normal, alguns riffs criados em jams nos ensaios até formatar a música. Gostamos muito de salientar os refrões, algo que a meu ver é a essência do metal, assim como os riffs de guitarras, que hoje parecem meio esquecidos por muitas bandas. A música tem que conseguir cativar do leigo ao fanático pelo estilo e buscamos na escola do metal tradicional as bases para nosso processo criativo, mas sempre colocando ideias modernas e adaptando o heavy aos tempos atuais.
Já para o novo trabalho, estamos compondo de forma diferente, eu e o Marlon Steindorff(guitarras) temos boa afinidade na composição e apresento riffs ou levadas de bateria que crio e ele passa para a guitarra. O Marcelo Fernandez (guitarra) acrescente as ideias de harmonia. O Joe F.Louder adapta seus vocais e passa as ideias de músicas para o Dênis Winston que escreve as letras, assim como eu também. O Raul Severo, o nosso baixista, que substituiu o Alex Prokopiuk, também ajuda nos arranjos e nesse momento trabalhamos com uma música dele . Finalmente após isso, nos reunimos em estúdio e começamos a montar a estrutura definitiva e lapidar detalhes. O processo de composição e gravação é demorado, mas muito gratificante.

HMAN: O que podemos esperar da Epitaph, para um novo lançamento? A banda já prepara material novo?
César: A intenção é fazer um trabalho forte e superar o primeiro CD, e para isso trabalhamos com calma para criar músicas fortes e que sejam marcantes. O material que já está pronto mostra que o disco vai ser mais rápido e pesado, tanto em timbres como em velocidade das músicas, e o mais legal é que apesar de novas, as músicas tem o estilo Epitaph, e isso é possível pelos 15 anos de tempo que tocamos juntos, mas assim como no primeiro o novo CD terá músicas com Hard Rock, Thrash, Heavy, Doom ou seja o estilo Epitaph e estamos muito confiantes nesse material. O plano é reunirmos 10 músicas e uma regravação de uma música da minha antiga banda, a Volúpia, que virá como bônus no CD.

HMAN: O meio underground é conhecido por bandas Extremas, mas o Heavy Metal tradicional também tem seu espaço. Você já foram questionados sobre isso?
César: (Risos) Sim! toda a hora e todo o momento somos questionados...é muito bom enfrentar festivais onde a maioria das bandas são de metal mais extremo e nós ali, fazendo o clássico Heavy...isso faz o diferencial, pois a certa altura dos shows, as pessoas querem algo mais melódico e sempre acabamos por conquistar novos fãs. Existem sim bandas de Heavy de qualidade como a Storm Steel de Gravataí e a Hell Hunter de Caxias, só para citar algumas, e elas aos poucos estão conseguindo seu espaço e a Epitaph se sente bem em mostrar as raízes do metal as gerações mais novas com uma sonoridade mais moderna.

HMAN: Quais os planos parar o futuro da Epitaph? Deixo aqui um espaço para a banda fazer suas considerações finais!
César: O ano de 2016 esperamos que seja de muitos shows, gravação de um DVD oficial e o mais importante , o do lançamento do nosso próximo trabalho. Agradecemos o espaço pela entrevista no Heavy Metal All Night e ao Artur. Um grande abraço aos nossos apoiadores, fãs e amigos e podem ter certeza que a Epitaph estará com tudo nas comemorações dos 15 anos! Até o próximo show e todos convidados para tomar umas cervejas com a banda!"



Links Relacionados
por Artur Azeredo

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Roadie Crew número 200 - César FIVE escolhe os 10 melhores bateras

                                      




A revista de Heavy Metal e Classic Rock mais conhecida do Brasil, chegou a edição de número 200, neste mês de setembro de 2015. E basicamente foi destinada aos bateristas, e na escolha dos melhores de todos os tempos; jornalistas,bateristas,e de diversas áreas da música num total de 215 votantes, escolheram os 50 mais influentes e os 10 bateristas brasileiros mais influentes.
O baterista César FIVE da Epitaph,foi convidado pela redação da Roadie Crew,para votar nos seus 10 bateristas que mais gosta e que influenciaram.
Antes da lista,um grande abraço a todos da Redação,colaboradores e leitores da revista e que venham mais 1000 números.
Os 10 escolhidos por César FIVE:
1 - Vinny Appice - Black Sabbath, Dio,Heaven and Hell e outros
2 - Nigel Glockler - Saxon
3 - Jason Bonham - UFO, Black Country Communion,Foreigner e outros
4 - Ian Paice - Deep Purple
5 - Roger Taylor - Queen
6 - Chad Smith - Reh Hot Chilli Peppers, Chickenfoot e outros
7 - Lee Kerslake - Uriah Heep
8 - Alex Van Halen - Van Halen
9 - Don Brewer - Grand Funk Railroad
10 - Neal Smith - Alice Cooper Group

sábado, 1 de agosto de 2015

EPITAPH no DIA MUNDIAL DO ROCK 2015

E no último dia 11 de julho, um sábado, o Bar Opinião em Porto Alegre, lotou para mais uma festa Rock n Bira em comemoração ao Dia Mundial Do Rock onde a banda SABOTAGE BLACK SABBATH TRIBUTE apresentou clássicos da fase Ozzy Osbourne e Ronnie James Dio.
E para quem ainda não sabe, a SABOTAGE é um projeto com César "FIVE" Louis,na bateria e Marlon Steindorff, guitarrista da Epitaph,e completando a formação Alexandre Prokopiuk (baixo) membro formador da Epitaph e nos vocais Gustavo Demarchi,amigo de longa data que inclusive participou com vocais na música Death Bell que faz parte do CD Getting Down To Business.
Foi uma grande festa, e mais uma vez uma honra apresentar clássicos da banda inglesa que tem grande influência para a Epitaph

                                                                 
                                        















domingo, 24 de maio de 2015

SCRULL DOWN TO THE BASEMENT 23.05.2015

E aconteceu no  Felipe Tatoo Studio, na cidade de Gravataí, o show SCRULL DOWN TO THE BASEMENT,com as bandas Epitaph, Overflow e Storm  Steel, no último sábado dia 23 de maio.

                                     








quarta-feira, 6 de maio de 2015

Judas Priest a maior influência

Há quinze anos a banda Epitaph surgiu inspirada em grandes nomes do Heavy Metal. O Judas Priest,entre todas, foi a mais influente, a começar pelo nome da banda que é homenagem a música que está no segundo trabalho da banda, Sad Wings of Destiny. A banda, além de dar origem ao som pesado (mais especificamente  o Heavy Metal), sempre foi importante dentro universo rock/metal e, por mais que este estilo musical veio ao longo dos anos se renovando, dividindo-se em subgêneros, esta banda segue sua trajetória mantendo o som clássico que influenciou, influencia e sempre influenciará a Epitaph em suas composições.

Com a vinda da banda Judas Priest para a apresentação no evento Monsters of Rock (ocorrido em Porto Alegre no último dia 30 de abril) juntamente com Motorhead e Ozzy Osbourne, surgiu a oportunidade de conhecer esses ícones do Heavy Metal.

Abaixo o registro de César Louis com o frontman Rob Halford:



domingo, 5 de abril de 2015

Dada largada nas gravações para o novo CD

Neste domingo de Páscoa, foi dado o start para o início das gravações para o novo CD da Epitaph.
Tarde de gravações de bateria por César Louis no Green Studio.
Fotos by Cátia Rp.